Tour de France: Kittel vence chegada apertada após 237,5km

Saiba como!

Hoje foi dia de Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) abrir sua contagem de vitórias, mas com uma chegada MUITO apertada. Por pouco o alemão não assiste de camarote a vitória de Brian Cocquard (Direct Energie) em Limoges. Os dois brigaram até a linha de meta e apenas o photo-finish pode afirmar quem havia ganhado. Melhor para Kittel que venceu e subiu na classificação da camisa verde.

Peter Sagan continua líder do Tour e mais uma vez veio forte para o sprint, terminando na terceira colocação. Amanhã sua camisa será colocada a prova, serão várias montanhas de categoria média e o dia será mais voltado para os escaladores.

Segundo Kittel, o vento ajudou um pouco a etapa, foram quase 250km contando a parte neutralizada do percurso, e com um leve vento a favor foi possível que a média horária permanecesse sempre alta. Ao final do dia a média ficou em quase 44km/h.

sptdw1092_670
Diferença milimétrica entre Kittel e Cocquard, sendo apenas definida pelo photo-finish!
(Foto-Tim De Waele).

Como a etapa se desenvolveu

A etapa mais longa do Tour de France 2016 teve o clima que agrada a todos, sol, temperatura amena e sem vento forte, sendo assim um dia propício para o pelotão andar com média horária alta. Após vários ataques no começo da etapa, aos 15km uma fuga com 4 atletas conseguiu se estabilizar, composta pelos atletas: Oliver Naesen (IAM Cycling), Alexis Gougeard (AG2R-La Mondiale), Markel Irizar (Trek-Segafredo) e Andreas Schillinger (Bora-Argon18).

O quarteto conseguiu abrir uma diferença máxima de 6 minutos, quando Lotto-Souldal, Etixx-QuickStep e Dimension Data pegaram a ponta e começaram a acelerar.

sptdw1051_670
A fuga do dia: Oliver Naesen (IAM Cycling), Alexis Gougeard (AG2R-La Mondiale), Markel Irizar (Trek-Segafredo) e Andreas Schillinger (Bora-Argon18) (Foto: Tim De Waele)

Foram belas paisagens dos campos franceses, com percurso praticamente plano. O ritmo esteve alto durante todo o dia, de modo que com 4 passistas na fuga, as equipes não gostariam de se descuidar e deixa-lós abrir muito. Em 2004, uma fuga com grandes passistas, entre eles Thomas Voekler, Stuart O´Grady e Magnus Backstadt conseguiram abrir uma grande diferença em uma longa etapa com chuva. Voekler pegou a camisa de líder e depois foi difícil para perder, ficou 10 dias com ela, e ao final, o francês quase desconhecido na época, se tornou um ícone.

Outra situação foi em 2006 quando Oscar Pereiro, Jens Voigt e cia abriram uma fuga que beirou 28 minutos, só para ter uma ideia os ciclistas da fuga tiveram que usar celular ao invés de rádio para se comunicar com os carros de equipe! Ao final Oscar Pereiro foi segundo colocado geral do Tour e acabou sendo declarado campeão após o norte-americano Floyd Landis ter sido pego no doping. Com isso, em etapas longas não é bom deixar a fuga abrir muito!

sptdw1088_670
Apesar da longa distância, o ritmo foi alto durante toda a etapa (Foto: Tim De Waele).

Confira os melhores momentos da etapa de hoje:

A briga pela camisa branca segue forte

A categoria de melhor jovem talento nunca foi tão disputada, a safra de atletas com idade menor ou igual a 25 promete vir forte neste Tour de France. Apenas para se ter uma ideia, os 10 primeiros na classificação da categoria estão separados por apenas 41 segundos, e os 4 primeiros estão separados por 4 segundos!

O líder Julian Alaphilippe (Etixx-Quickstep), que já pode ser considerado um especialista nas clássicas dos Ardenes, com pódio na Liege-Bastogne-Liege em 2015 e na Fleche Wallonie em 2015 e 2016, tem se mostrado um ciclista completo. O francês nascido na pequena cidade de Saint-Amand-Montrond, é capaz de subir bem, o que ele provou ao vencer a etapa Rainha do Tour da Califórnia em maio e ao ficar em sexto geral no disputado Critérium du Dauphiné em junho, faz um ótimo crono e pode sprintar à la Valverde, ou seja, vencendo chegadas de pequenos grupos.

O compatriota de Alaphilippe, Warren Varguil (Giant-Alpecin)  também merece destaque, está em segundo lugar na categoria e já mostrou possuir um enorme talento na montanha ao vencer duas etapas da Vuelta de España em seu primeiro ano como profissional em 2013, além de terminar em oitavo geral no ano seguinte. Ele sofreu um acidente no começo do ano, quando uma senhora dirigia o carro na contra-mão na Espanha, atropelando vários ciclistas da equipe que faziam preparação em um Training Camp na região. O acidente foi tão feio que John Degelkolb (que também está no Tour) teve de fazer uma cirurgia para religar seu dedo indicador que foi perdido no choque. Com isso, Barguil seguiu sua preparação mais tarde, ficando meses em recuperação, mas sua performance no Tour de Suisse, em junho, mostra que o francês está mais forte e motivado do que nunca.

Outro fato digno de nota é o argentino Eduardo Sepulveda (Fortuneo) que está na sexta colocação na categoria e promete brigar até o final do Tour, seria uma honra um sul-americano vencer novamente a camisa, sendo que o último foi Nairo Quintana (Movistar) em 2013.

sptdw1116_670
Julien Alaphilippe (Etixx-Quickstep) segue líder na categoria jovem talento (Tim De Waele).

Confira o vídeo do Team Astana, que anda meio escondida na prova, mas editou um vídeo legal sobre as 3 primeiras etapas do Tour:

Confira mais imagens sobre a etapa:

Este slideshow necessita de JavaScript.

(Imagens: Getty Images/Tim De Waele/Bettini Photo)

Veja tudo sobre as etapas aqui.

Resultados

Comentários

Be the first to comment

Deixe uma resposta