Olimpíadas: Nino é o novo campeão olímpico e Sagan surpreende enquanto estava na briga

Saiba como!

Nino Schurter (Suíça) venceu a prova do MTB XCO das Olimpíadas do Rio. Faltando duas voltas para o final, ele atacou Jaroslav Kulhavy (República Checa) e partiu sozinho para a vitória. Carlos Coloma (Espanha) ficou com o bronze e o francês Maxime Marotte ficou com o quarto lugar, deixando a França fora do pódio pela primeira vez.

Nino, medalha de ouro
Nino, medalha de ouro (AP Photo/Patrick Semansky).

O início da prova foi pra guardar na memória dos amantes do ciclismo. A disputa tão aguardada entre Nino e o francês Julien Absalon não existiu, mas o que se viu foi uma primeira volta inacreditável, tudo por conta da presença do Campeão do Mundo de estrada, o eslováco Peter Sagan.

Na largada os ciclistas são divididos em fileiras, largando nas primeiras àqueles que possuem melhor classificação no ranking da UCI. Com isso, Sagan, que não compete no MTB, largou por último, na quinta fileira, na posição 50. Talvez esse fosse um motivo para, no final da prova, muitos pensarem: “é complicado, ele saiu muito atrás”. Mas o que se viu foi um show. Assim que foi dada a largada Sagan foi pra cima, ultrapassando muitos adversários e iniciando a volta já entre os 10 primeiros.

Peter Sagan e Marco Aurelio Fontana (AP Photo/Patrick Semansky)
Peter Sagan e Marco Aurelio Fontana (AP Photo/Patrick Semansky).

Logo, para nós brasileiros, aconteceu uma situação inusitada. Estavam o brasileiro Henrique Avancini e Peter Sagan entre os 5 primeiros. Era o sonho de qualquer um ver aquela imagem, só foi uma pena que durou muito pouco e, pricipalmente, porque tudo isso aconteceu apenas na primeira volta.

A sequência da volta continuou surpreendente, Fontana, que liderava a prova e tinha em sua roda Nino, apertou o passo e Sagan foi junto, Coloma também. Logo depois Kulhavy se juntava a eles, fazendo um grupo muito forte na liderança. Logo atrás, um grupo que tinha, entre outros, Avancini, vinha na perseguição.

Com a abertura da segunda volta toda essa realidade mudou rapidamente.

Este slideshow necessita de JavaScript.

De repente Sagan começou a sobrar e Fontana também, era estranho: Teria Sagan dado tudo na primeira volta e sobrado? Mas não, logo a imagem mostra ele e Fontana juntos, ambos com pneus furados. Era o final da disputa por um bom resultado do atual Campeão do Mundo de Estrada em uma das mais disputadas provas do MTB mundial.

Com o furo dos dois, Schurter abriu com Coloma e Kulhavy, mas, logo depois, Coloma perdeu o ritmo e a dulpa abriu.

Nino Schurter, Jaroslav Kulhavy e Carlos Coloma (AP Photo/Patrick Semansky).
Nino Schurter, Jaroslav Kulhavy e Carlos Coloma (AP Photo/Patrick Semansky).

A essa altura Julien Absalon estava desaparecido e logo aparecia a mais de dois minutos atrás dos líderes que imprimiam um ritmo alucinante.

Iniciando a quinta das sete voltas, Schurter e Kulhavy estavam a 30 segundos da dupla perseguidora, Coloma e Maxime Marotte (França), e o Suíço Mathias Fluckiger vinha na quinta posição mas mais de um minuto atrás.

Estava evidente que a dupla que liderava iria disputar a medalha de ouro e a disputa do bronze ficaria para os dois perseguidores.

Em Londres a situação era essa: Nino e Kulhavy vinham na disputa, quando, nos últimos metros da última volta, Kulhavy atacou e venceu por poucos metros. Talvez, pensando nisso, e querendo evitar qualquer chance de repetir o erro, na metade da quinta volta, Schurter atacou deixando Kulhavy para trás enquanto se aproximavam de uma seção de rock garden. A transmissão perdeu o ataque e quando voltou para os dois, Nino já havia aberto um pouco e no final da volta a diferença era de cerca de 30 segundos.

Nino manteve a pressão e continuou abrindo. Ele fechou a prova com 50 segundos de vantagem para Kulhavy e 1min20 sobre Coloma que conseguiu largar Marotte na metade da última volta.

Sagan ainda teve mais um pneu furado e depois sofreu com um problema mecânico sendo obrigado a abandonar.

Peter Sagan (AP Photo/Patrick Semansky).
Peter Sagan (AP Photo/Patrick Semansky).

Veja aqui um resumo da performance inacreditável de Peter Sagan!

Absalon fechou em um melancólico oitavo lugar, nessa que era sua última olimpíada. Ele merecia mais, ainda mais no seu ano de aposentadoria, mas, infelizmente, não estava em um bom dia.

Avancini que, mais uma vez, fez uma excelente largada, acabou perdendo posições ao longo da prova, terminando na 23º. posição.

Rubinho Valeriano terminou em 30º.

Veja os melhores momentos da prova:

Assista o replay da prova completa aqui.

Resultados:

Card

Comentários

Be the first to comment

Deixe uma resposta