Colômbia: o segundo país mais poderoso do ciclismo e as Olimpíadas [Parte 2]

Saiba como!

Passou despercebido para a maioria das pessoas que viram a prova do MTB XCO dos Jogos Olímpicos Rio 2016, a quinta colocação de Jhonnatan Botero Villegas, de 24 anos, atualmente 38º do mundo (para efeito de comparação, o brasileiro Henrique Avancini é o 17º), mas mais uma vez tivemos um ciclista colombiano figurando entre os melhores do mundo, dessa vez no MTB.

A Colômbia obteve sua vaga para a Olimpíada no Campeonato Panamericano de MTB, que foi disputado em Cota, Colômbia, com a terceira colocação de Leonardo Paez. Antes dos Jogos, porém, depois de analisarem a prova e o momento de seus ciclistas, foi Jhonatan Botero, (também conhecido como “Chucky” Botero) o escolhido para representar o país.

Jhonnatan Botero começou nos projetos da Corporacion correcaminos, que são liderados por seu diretor e fundador, Ivan Dario Echeverry. O projeto começou há alguns anos na cidade de El Retiro, com a ideia de levar o ciclismo para crianças carentes do município. São três programas básicos: o recreativo/competitivo, o programa “ir para a escola de bicicleta” e uma oficina mecânica.  A Corporação está beneficiando diretamente cerca de mil crianças e, indiretamente, outras 4 mil de toda a comunidade.

Crianças que frequêntam os projetos da Corporacion correcaminos.
Crianças que frequêntam os projetos da Corporacion correcaminos.

Leia aqui: Colômbia: o segundo país mais poderoso do ciclismo e as Olimpíadas [Parte 1]!

O quinto lugar na prova de MTB cross country para Colômbia é um feito histórico e prova como projetos que incentivam o uso da bicicleta, assim como qualquer outro esporte, são essenciais para formarmos novos atletas e cidadãos.

Ivan Dario Echeverry, o criador do projeto colombiano, é um herói praticamente anônimo que faz tudo pelo ciclismo. Como ele, existem muitos outros e é preciso reconhecê-los.

A Colômbia a anos vem surpreendendo o mundo do ciclismo com muitas revelações e, nas olimpíadas, colheram os resultados desse empenho em todas as modalidades.

Outros resultados

medalhas

Além do quinto lugar no MTB XCO, a Colômbia conquistou ótimos resultados em outras modalidades do ciclismo:

No BMX foram duas medalhas: ouro com a multicampeã Mariana Pajón e bronze com Carlos Ramirez.

Na pista, a Colômbia ficou com o surpreendente quinto lugar de Fabián Puerta, na modalidade Keirin. Fabián poderia ter alcançado as medalhas se tivesse sido aplicada a regra por movimento proibido dos pilotos Jason Kenny (inglês que acabou levando o ouro), Azizulhasni Awang, da Malásia e, mais tarde, do alemão Joachin Eilers durante a disputa da final. Além de Fabián, Fernando Gavíria terminou em quarto lugar na modalidade Omnium. 

Já na prova de Ciclismo de Estrada, apesar de não terem terminado com nenhum ciclista entre os Top 5, Jarlinson Pantano figurou na fuga da prova e Sergio Henao estava junto com o italiano Vicenzo Nibali quando os dois caíram na descida da Vista Chinesa no momento em que se encaminhavam para o final da prova.

Seleção Colombiana Rio 2016
Seleção Colombiana Rio 2016.

Ranking das nações

E a Colômbia, que chegou ao segundo lugar no ranking das nações, continua lá. É o que diz a classificação atualizada do Ranking WorldTour – 2016 da União Internacional de Ciclismo (UCI).

Ranging UCI. Colômbia em segundo lugar.
Ranging UCI. Colômbia em segundo lugar.

Resultados brasileiros nos Jogos Rio 2016

O Brasil obteve seu melhor resultado com a ciclista Flávia Oliveira na prova de Estrada. Ela conquistou a sétima colocação, melhor resultado da história do ciclismo nacional em Jogos Olímpicos.

Veja nossa matéria sobre o feito aqui.

Além de Flávia, Clemilda Fernandes participou da prova mas não ficou entre as 40 melhores.

Flávia Oliveira Crédito: Maximiliano Blanco/CBC
Flávia Oliveira. Crédito: Maximiliano Blanco/CBC

Na prova masculina da Estrada, nossos dois representantes, Murilo Fischer e Kleber Ramos, abandonaram a prova que foi considerada pelos ciclistas como uma das mais difíceis dos últimos anos.

No BMX, Renato Rezende ficou apenas com o 29º lugar e Priscilla Stevaux Canaval em último lugar.

Na Pista, tivemos um resultado que pode ser considerado muito bom na modalidade Omnium com Gideoni Monteiro que terminou em 13º dos 18 atletas, mas que foi top 10 em três das cinco provas que compõe o Omnium.

E no MTB XCO, Raiza Goulão ficou em 20º lugar e, no masculino, Henrique Avancini terminou em 23º e Rubinho Valeriano na 30ª colocação.

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta