Paris-Nice: Démare vence em meio ao caos

Saiba como!
Esta matéria tem o apoio delogo-bici

A abertura da Paris-Nice deste ano foi pra lá de surpreendente, nada aconteceu da maneira como todos esperavam. Uma etapa que tinha tudo para ser calma, teve tombos, chuva, ventos, a vitória de um fortíssimo Arnaude Demáre e a desclassificação do astro francês Romain Bardet por ter segurando no carro da equipe. Assim, ciclistas que vieram para brigar pela geral, como Alberto Contador e Richie Porte, tomaram tempo e terão de lutar muito essa semana para continuarem “vivos” na luta pelo título.

Ciclistas de várias equipes se ajudaram para manter o pelotão da frente com diferença sobre os principais favoritos da prova, como Contador e Porte, que ficaram para trás! Na foto, Tony Gallopin (Lotto-Soudal) e Philipe Gilbert (QuickStep-Floors) trabalhando juntos na ponta do grupo da frente, que etapa! (TDWSport)

O pelotão sofreu vários cortes e no grupo que se formou e que liderava a prova estavam Démare, Gilbert, Alaphilipe, Kristoff, Martin, Gallopin além de vários gregários, principalmente da Quick-Step, que fizeram muita força para se aproveitar do corte que aconteceu a mais de 60km para o final da prova. A equipe FDJ fez um grande trabalho já que tinha Rudy Molard para auxiliar Démare.

A Sky também estava representada no grupo líder através de Sergio Henao, que agora veste a camisa de campeão colombiano e está em grande fase, e também de Luke Rowe que fez um grande trabalho na manutenção de Henao no grupo e no incremento do tempo sobre os perseguidores.

Atrás deles haviam vários grandes atletas, até mesmo o “monstro” Tony Martin, que tentava de todas as formas buscar o grupo da frente, mas, como vimos, isso era realmente algo desumano de se conseguir.

Com 4 km para o final restaram apenas os líderes de equipe no grupo da frente e o ritmo não baixava. Antes da chegada havia uma curta subida na qual Julian Alaphilipe, escolhendo o melhor momento, atacou deixando todos para trás, exceto Démare que mostrou uma incrível força e alcançou Alaphilipe. Ao chegar ele passou direto mas Alaphilipe o acompanhou, seguindo em sua roda até poucos metros da chegada quando arrancou. Démare partiu junto e sua melhor habilidade em sprintar se mostrou útil, ele venceu e a França fez 1-2 na primeira etapa.

Com os resultados finais Alaphilipe e Henao (que chegou no grupo da frente, em nono) passam a ser os grandes favoritos à vitória geral da competição, mas até lá, muita coisa pode (e deve) acontecer!

Veja a chegada:

Os ventos fortes, o frio e as quedas, transformaram a última hora de competição (que você pode conferir no vídeo abaixo). O pelotão foi picado em pedaços. Quando isso acontece, em um pelotão com quase 200 atletas, é muito difícil tirar a diferença, é preciso um esforço conjunto e articulado, mas o que se viu hoje foi o completo caos e o despreparo de alguns time.

Em alguns momentos, após o pelotão ser quebrado, até mesmo Alberto Contador teve de pegar a ponta para tentar buscar os líderes, o que mostra um certo despreparo da equipe que não pode lidar com a situação. O espanhol tomou mais de um minuto na etapa, um legítimo banho de água fria!

Após o pelotão ser picado em pedaços, o caos tomou conta da competição e até mesmo Alberto Contador teve de pegar a ponta para tentar buscar os líderes, mas foi em vão (TDWSport).

Romain Bardet DESQUALIFICADO!

Após cair, na primeira etapa da Paris Nice, Romain Bardet jogou fora toda a preparação feita para esta importante competição ao segurar no carro da equipe para voltar ao pelotão. O carro da equipe marcava incríveis 80 km/h e o atleta continuava segurando no lado direito do carro. Por um momento foi dito que o atleta necessitava de ajustes em sua bicicleta após a queda, mas, mais tarde, Bardet assumiu a responsabilidade por seus atos.

Detalhe de Romain Bardet segurando no carro da equipe a 80km/h!!

Veja como foi:

O atleta pediu desculpas publicamente, em nome de toda sua equipe, e disse que pensou por um momento que não estaria cometendo um erro já que estava retornando à prova após ter caído. Mas, logicamente, isso não pode ser feito de maneira alguma. No máximo os ciclistas pegam vácuo para retornar ao pelotão, mas nunca segurar no carro de equipe, uma atitude, no mínimo, muito ruim por parte do atleta e de seu diretor de equipe que dirigia o carro. Com isso, Bardet deve voltar para competir na Vuelta a Catalunya, mas desta vez, espera-se que seja com mais honestidade.

Veja os últimos quilômetros da etapa:

Resultados

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta