Giro da Itália: Dumoulin se consagra com vitória histórica

Saiba como!

A última etapa deste Giro d´Itália, edição 100 guardava muitas surpresas e foi a primeira vez na história que ainda haviam 4 atletas na disputa pelo título.  A prova contra o cronômetro de 29km era totalmente plana e foi na cidade de Milão, considerada a capital mundial da moda.

Tom Dumoulin quebrou um jejum de 37 anos ao vencer o Giro d´Itália, antes, em 1980, o holandês Joop Zoetemelk venceu o Tour de France, e, desde então, nenhum holandês havia vencido um Grand Tour. Agora, além de mostrar sua evolução no ciclismo, Dumoulin está sendo comparado a Miguel Indurain (vencedor de 5 Voltas da França), devido à sua consistência e à sua capacidade de fazer cronos fenomenais.

Veja também: Lista de favoritos para o Giro d’Itália
Veja também: Lista oficial dos inscritos na centésima edição da prova

Acompanhe tudo o que acontece no Giro d’Itália aqui.

Nairo Quintana fez tudo e mais um pouco para defender a liderança, mas perdeu o #Giro100 por apenas 31 segundos para Dumoulin (TDWSport).

Depois de quase 4 mil quilômetros e mais de 90 horas de competição, os ciclistas ainda precisavam se decidir entre segundos a classificação. Ao final, prevaleceu o talento de Dumoulin que fez do contra-relógio a sua arma principal. Com apenas 70km de CRI, não podemos dizer que esse era um Giro para Dumoulin, mas ele conseguiu fazer com que fosse. É comum em Grand Tours a presença de CRIs com mais de 50km, nos quais um especialista como Dumoulin poderia deitar e rolar, mas, nesse ano o holandês se mostrou bastante completo, principalmente na montanha, onde ele provou que o que era uma fraqueza, agora pode ser considerado mais uma forma de colocar tempo nos rivais.

O pódio final do Giro, só feras! (TDWSport)

Na categoria de KOM (Montanha) o espanhol Mikel Landa venceu de forma isolada, trazendo um pouco de animação ao Team Sky depois do desastre na etapa 9, na qual uma moto da organização derrubou quase a equipe inteira e tirou as chances de brigar pela classificação geral de Landa e Geraint Thomas. Landa ainda conseguiu alguns pódios em etapas neste Giro e venceu a duríssima etapa com chegada no Piancavallo. Ao final ele foi 17 na geral, bem distante da luta pelo pódio, mas crente de que ele possa voltar no próximo ano para tentar vencer a grande volta italiana.

Mikel Landa (SKY) apenas cumpriu tabela na última etapa com a camisa de líder de KOM (TDWSport).

Outra categoria que deu o que falar foi a camisa branca de jovem talento, que se decidiu apenas na última etapa também, na qual o luzemburguês Bob Jungels (QuickStep-Floors) bateu o britânico Adam Yates (Orica-Scott). Jungels e Yates são da nova geração de ciclistas com grande talento e múltiplas habilidades. Jungels venceu uma etapa e foi bastante consistente ao longo de todo o Giro, em 2016 ele também levou a camisa branca para casa, esse ano ele mostrou que isso não foi por acaso e repetiu o feito!

Jan Hirt (CCC), a revelação do Giro d´Itália 2017.

A camisa de melhor velocista foi para um colombiano, Fernando Gaviria (QuickStep-Floors), que veio para o Giro como uma aposta e saiu com a consagração, agora sendo considerado um dos melhores sprinters do mundo. Outra revelação do Giro 2017 foi o tcheco Jan Hirt (CCC) que correndo por uma equipe continental mostrou enorme talento, terminou na 12a colocação geral e está sendo disputado pelas equipes WorldTour para 2018. Pode-se dizer que ele brigou pela Geral com a cara e a coragem, sem gregários nas montanhas e até mesmo se arriscou e fugas. Na última etapa de montanha ele mostrou muita força, fazendo o pelotão se partir quando pegou a ponta, algo realmente muito promissor para o jovem de 26 anos e que ainda pode render muitos frutos.

Melhores momentos da última etapa:

Melhores momentos de todo o Giro 2017:

Resultados oficiais:

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta