Sagan é TRI mundial!

Depois de 276,5 Km, em uma chegada decidida por um grupo reduzido, Peter Sagan venceu e fez história conquistando seu terceiro título mundial.

Metros finais!

Com a vitória Peter Sagan se iguala aos belgas Eddy Merckx (’67, ’71, ’74) e Rik Van Steenbergen (’49, ’56, ’57), ao espanhol Oscar Freire (’99, ’01, ’04) e ao italiano Alfredo Binda (’27, ’30, ’32) com 3 títulos mundiais de ciclismo de estrada. Mas, além disso, Peter Sagan passa a ser o único ciclista na história a conquistar 3 mundiais consecutivos.

Depois de 6 horas, 28 minutos e 11 segundos a histórica vitória do eslovaco veio em mais um sprint apertado, decidido no photofinish, contra o ciclista da casa, atual campeão europeu, o norueguês Alexander Kristoff.

No ciclismo vemos muitas decisões em sprint e Sagan vem demonstrando que possui uma tática apurada nesse tipo de chegada, principalmente quando os ciclistas precisam lançar a bicicleta para cruzar a linha antes do adversário. Ele tem um tempo perfeito e, talvez, seu posicionamento em cima da bicicleta o ajude a ter maior mobilidade articular permitindo um impulso frontal maior da bicicleta ajudando-o assim a conquistar vitórias como a de hoje. Foi, mais uma vez, por um fio!

Durante a prova Sagan mal apareceu, foi até difícil vê-lo na transmissão. Mesmo quando os ciclistas vieram para a última subida, que ficava a cerca de dez quilômetros da chegada, o eslovaco estava bem atrás. Mas, com dois títulos mundiais nas costas e uma vontade tremenda de apagar o ano de sua desclassificação do Tour de France, ele fez tudo perfeitamente e apareceu somente na momento certo. Quando um seleto grupo de favoritos se formou ele estava lá e quando vieram para a chegada ele fez o que melhor tem feito nos últimos anos: vencer!

A prova começou a se definir na última volta quando o francês Tony Gallopin tentou uma fuga a 13 km da meta, mas ele foi logo alcançando no pé da Salmon Hill (a última subida do circuito). Logo depois foi a vez de outro francês tentar a sorte, Julian Alaphilippe atacou na metade da subida e logo foi alcançado pelo italiano Gianni Moscon. Esse foi o movimento mais perigoso da prova. Os dois trabalhavam bem, mas com um grupo forte atrás e com os noruegueses trabalhando pela vitória de Kristoff a dupla acabou sendo pega quando faltavam cerca de 4 quilômetros.

A partir daí foi uma grande confusão por parte da transmissão da prova que perdeu alguns quilômetros finais até voltar já com Sagan e Kristoff, na parte da frente do grupo, já se preparando para o sprint no último quilômetro. Veja esse trecho através da câmera do helicóptero que foi disponibilizado após o final da prova, nele verifica-se que Sagan teve que fechar alguns ataques, contribuindo para que o grupo viesse para os metros finais compacto:

Em entrevista, logo após a prova, Sagan dedicou a vitória ao ciclista italiano Michele Scarponi que faleceu depois de um acidente enquanto treinava e completaria 38 anos amanhã, dia 25/09. Na entrevista, ele aproveitou também para desculpar-se com Kristoff que corria em casa.

O australiano Michael Matthews terminou em terceiro lugar com o italiano Matteo Trentin em quarto e o britânico Ben Swift em quinto.

Veja o último quilômetro da prova:

Momento em que Sagan é avisado que venceu:

Pódio:

Resultados

Alô! Ganhei mais um!

Comentários