Americano de 19 anos perde etapa do Dubai Tour, depois de mais de 170 Km escapado, a 50 metros do fim

Hoje o Dubai Tour guardou para o final uma cena daquelas onde praticamente todos que assistem estão torcendo para o sucesso do esforço de um único atleta contra o pelotão. Mas, infelizmente, o jovem ciclista Brandon McNulty, de apenas 19 anos, sucumbiu na parede que o aguardava nos últimos 100 metros da quarta etapa do Dubai Tour.

McNulty, da equipe americana Pró Continental, Rally Cycling, fazia parte da fuga inicial da etapa, que surgiu com apenas 5 quilômetros de prova. A fuga era composta por Conor Dunne (Aqua Blue Sport), Robin Carpenter (Rally), Brandon McNulty (Rally), Christopher Williams (Novo Nordisk), Sun Xiaolong (Mitchelton-BikeExchange) e Simone Bevilacqua (Willier).

Os ciclistas da fuga chegaram a abrir quase 4 minutos mas, conforme a etapa foi se encaminhando para o final, algumas subidas apareceram e praticamente todos eles começaram a pagar pelo esforço feito durante os quase 170 quilômetros escapados.

O último que aguentou firme, junto com McNulty, foi o grandalhão irlandês, de mais de 2 metros de altura, Conor Dunne (Aqua Blue Sport), que acabou sobrando quando ainda faltavam  mais de 10 quilômetros para o final.

Atrás, no pelotão, as equipes dos principais velocistas faziam todo trabalho para neutralizar a fuga, mas, após ficar sozinho, McNulty que é o atual campeão sub-23 de contra-relógio dos EUA, atual segundo melhor colocado no mundial sub-23 (também na prova de contra-relógio), além de ter sido o campeão mundial de contra-relógio júnior em 2016, intensificou a passada e mostrou todo seu potencial, mantendo-se a frente do seleto grupo de perseguidores até os metros finais.

Brandon McNulty campeão mundial júnior de 2016. Foto: Tim De Waele

Com 200 metros ele ainda tinha cerca de 30 segundos de vantagem, parecia que ele alcançaria o resultado esperado, porém, restando 100 metros, ele fez uma curva à direita e percebeu o tamanho do seu problema, uma verdadeira  parede que começou a acabar com suas intenções. McNulty ficou em pé, fez o que dava, mas sucumbiu quando viu Sonny Colbrelli (Bahrein-Merida) e vários outros passando por ele quando já se via a linha de chegada.

No final, ele terminou em 21º, perdendo 11 segundos naqueles dolorosos 50 metros finais.

Veja o vídeo dos últimos metros:

“A 100 metros da chegada achei que não me alcançariam, mas quando eu vi a parede não senti minhas pernas muito bem…olhei para trás e o pelotão estava lá”, disse ele logo após a chegada.

McNulty também contou que não sabia que a última subida era tão dura:

“Vimos na altimetria que era duro, mas as duas subidas que tiveram antes foram um pouco superestimadas, então pensei que seria o mesmo que as duas anteriores, mas foi um pouco pior”, disse ele.

Ele também comentou que só soube da diferença de tempo no final da etapa, através da moto da organização, já que o rádio da equipe estava com problemas, mas que isso não o atrapalhou e finalizou com otimismo:

“Eu estava dando tudo o tempo todo que estive sozinho…ser pego nos últimos 50 metros pra alguém da minha idade não é algo que eu possa me queixar”.

Resultados finais:

Comentários