Na descida Matej Mohoric abre vantagem e vence o GP Industria & Artigianato

Saiba como!

Um dia depois da épica edição da Strade Bianche, tivemos mais uma prova incrível nas estradas italianas. Longe das estradas de cascalho branco (ou marrom, que era como tudo estava na Strade Bianche depois da chuva que caiu sobre a neve) o GP Industria & Artigianato fechou, com chave de ouro, o final de semana de provas italianas.

Antes da história da prova precisamos lembrar que Matej Mohoric, o vencedor da prova, terminou em 11º a Strade Bianche e como ele, vários outros ciclistas que estiveram disputando a Clássica no sábado, alinharam pra essa duríssima prova no domingo.

Não foi o caso, por exemplo, de Wout Van Aert. O tricampeão mundial de cyclocross que terminou a Strade Bianche em terceiro lugar, ficou tão esgotado que, apesar de ser esperada sua participação na prova dominical, não apareceu.

Leia mais:
Tiesj Benoot vence edição épica da Strade Bianche

Como foi a prova

Com 199 quilômetros, a prova começou com um longo trecho plano e depois partiu para 4 voltas em um circuito onde, em cada volta, os ciclistas precisavam vencer a subida a Fornello (7,7 km com 3,8% de média).

Logo após o início da prova uma fuga se formou com 8 ciclistas. Eles entraram no circuito com diferença de mais de 3 minutos para o pelotão.

Na última volta do circuito, a cerca de 30 km para do final, a fuga foi pega e logo depois Cesare Benedetti (Bora-Hansgrohe) lançou um ataque no qual só aguentaram seguir sua roda Davide Ballerini (Androni Giocattoli-Sidermec) e Giovanni Visconti (Bahrein-Merida). Os três abriram, mas o grupo perseguidor liderado pela Mitchelton-Scott e mais tarde pela Katusha, vinha rápido tentando tirar todo tempo possível antes da última subida da prova.

E foi o que aconteceu, ao entrarem na última das 4 escaladas para Fornello, os perseguidores já tinham o trio na alça de mira e com 13 km para o final o grupo estava totalmente compacto novamente.

A partir daí foi um festival de ataques até o final da escalada e um pequeno grupo chegou junto e começou a descer. Neste momento, o grupo tinha Ivan Santaromita (Nippo-Vini Fantini-Europa Ovini), Matej Mohoric (Bahrein-Mérida), Ivan Sosa Ramiro (Androni Giocattoli-Sidermec), Sergey Firsanov (Gazporm-Rusvelo) e Rafal Majka (Bora).

Logo no início do trecho da descida, Matej Mohoric (Bahrein-Merida), que é o único ciclista a vencer o mundial júnior e sub23 seguidos, provou que é mais um dos poucos ciclistas que realmente sabem descer. Saber descer é fazer a diferença na descida, o que é muito difícil e perigoso. Mohoric largou todo mundo, usou toda sua técnica, com uma posição arrojada e utilizando toda sua aerodinâmica abriu do grupo perseguidor atingindo incríveis 95 Km/h.

O italiano Marco Canola (Nippo-Vini Fantini-Europa Ovini) ainda conseguiu encostar no final da descida, no trecho mais plano, mas mas Mohoric, atento, manteve o passo e venceu fazendo valer todo o esforço para largar os adversários em uma descida alucinante, como já fizeram em um passado recente, Vicenzo Nibali, Peter Sagan e Chris Froome.

Veja como foi:

Veja os últimos 35 quilômetros da prova aqui.

Canola, Mohoric e Ballerini no pódio final.

 

Resultado final

Comentários