Por que a Paris-Roubaix tem tanta importância para o ciclismo?

O frio de dezembro no Norte da França é algo que faria a maioria das pessoas ficar em casa e se proteger, exceto para um grupo chamado de “Les Amis de Paris-Roubaix”, que em português significa “Os amigos da Paris-Roubaix”, eles literalmente cuidam de todo o trajeto da competição, algo em torno de 257km, todos os setores de Pavés (paralelepípedos), que somam mais de 60km, são renovados e retocados quando preciso, para que sejam pedaláveis e também mostrem a fama que a prova tem, unindo tradição e dificuldade.

Clique para contribuir!

Veja como foi a Paris-Roubaix em 2017 aqui.

Niki Terpstra conquista Tour de Flanders à base da “Passada Holandesa”!

Paris-Roubaix: a clássica mais dura do mundo é neste domingo!

A prova tem mais de 100 anos, sua primeira edição foi em 1896 e a prova resistiu épocas terríveis, com guerras e passou por crises, mas o amor pelo ciclismo se mostrou maior que tudo, e o envolvimento das pessoas na região é algo impressionante. Um dos motivos é o econômico, pois a prova atrai muitos turistas, lotando hotéis e pousadas, além de bares, restaurantes e lojas de souveniers (lembranças), que movimentam a economia do norte da França de uma forma bastante inusitada.

Entre um ano e outro, as estradas de pavés são utilizadas para o escoamento da produção agropecuária da região, principalmente no verão, e muitos trechos ficam em situações “impedaláveis”, além do mais, se não forem bem cuidados, numa ocasião de chuva, a prova pode se tornar uma batalha pela sobrevivência, assim como vimos no passado. Essa dureza fez a prova ficar conhecida como Inferno do NorteUm Domingo no InfernoRainha das Clássicas ou La Pascale.

Em 2001 a chuva “abençoou” a prova que teve uma das edições mais cruéis da história. A vitória ficou com o holandês Servais Knaven, hoje ele é técnico da Sky e estará na prova para ajudar Geraint Thomas a vencer esse grande título.

As pessoas que cuidam do trajeto são voluntários, entre agricultores, comerciantes, pessoas de todas as idades, homens e mulheres, um esforço coletivo que mostra que o ciclismo pode transformar comunidades e unir as pessoas em busca de um bem comum, uma cultura que pode ser vista em poucos lugares do mundo. Por isso a prova é tão importante, imagine o clima de uma prova dessa, com tanta gente apaixonada pelo esporte assistindo e acompanhando seus ídolos, é algo surreal!

Sagan, Stybar, Boonen, Cort Nielsen, GVA e cia. A Paris-Roubaix, ano após ano, transforma grandes ciclistas em lendas!

Saiba mais sobre a prova na página da Wikipedia.

Confira algumas fotos dos franceses trabalhando na manutenção dos pavés:

Este slideshow necessita de JavaScript.



 

Comentários