Zoncolan ou Angliru, qual é o mais brutal?

Saiba como!

Amanhã será disputado a primeira das três chegadas catalogados como cinco estrelas no Giro d’Itália 2018. O pelotão chega às Dolomitas e o faz com a subida ao Monte Zoncolan, considerado um dos portos mais difíceis da Europa e do mundo, junto com o Angliru, topo mítico da Vuelta a España. Em seguida, vamos comparar ambos, com características muito semelhantes!

Acompanhe tudo o que acontece no Giro d’Itália aqui.

Zoncolan (Dolomitas, Itália) – “a porta do inferno”

‘La Porta per l’Inferno’, assim os ciclistas italianos apelidaram o Zoncolan. Localizado na saída da vila de Ovara, começa a subida de “apenas” 10 quilômetros, mas a 11,9% gradiente médio e rampas de até 22% que vai coroar a 1.730 metros depois de passar uma desnível positivo de 1.203 metros.

Um trecho de 11,4% na saída de Ovaro marca o início do pico. Após um breve descanso, o único em toda a subida, e ai segue por 5 quilômetros muito difíceis onde a inclinação média gira em torno de 14%, com muitas seções 15 e 16%, e picos de até 20 e 22% de inclinação! Nos últimos 3 quilômetros, depois de algumas seções 11, 13 e 10%, e depois de um ‘break’  de 5.2%, os ciclistas entram no quilômetro final com uma última parcela de 10,6%.

Gilberto Simoni é o rei de Monte Zoncolan, tendo vencido os dois primeiros vezes, de cinco que o Giro passou por lá: uma em 2003, subindo pelo lado de Sutrio e outra em 2007, na primeira subida por Ovaro, a subida mais dura. Ivan Basso venceu em 2010, e Igor Anton, o único dos vencedores ainda ativos como profissional, venceu em 2011. O australiano Michael Rogers venceu escapado em 2014, e também escreveu seu nome na história.

Veja aqui como foi a última vez que o Giro passou pelo Zoncolan, com vitória de Rogers.

Simoni tem, com Leonardo Piepoli, o tempo recorde na subida, feita em 39 minutos e 3 segundos, a uma média de 15 km/h na edição de 2007.  O melhor registo no Strava é de cerca de 46 minutos, embora seja muito provável que seja superado neste sábado, quando os ciclistas já terão 2 semanas de competição nas pernas, o que deve aumentar ainda mais a chances de causar gaps entre os ciclistas da Geral.

Perfil del Monte Zoncolan, que se subirá en la 14ª etapa del Giro de Italia 2018.

Plano de la subida al Monte Zoncolan en el Giro de Italia 2018.

Angliru (Astúrias, Espanha)

Com características semelhantes ao Zoncolan, a subida ao Alto de L’Angliru, um dos portos mais difíceis da Espanha, com 12,5km de subida com 10,13% gradiente médio e rampas de até 23,6% chegando nos 1.570 metros depois de superar uma desnível de 1.241 metros.

A subida começa em La Vega, no município de Riosa, e nos seus primeiros 5 quilômetros alterna rampas de 6% com outras de 11 e até 22%. A parte mais dura do porta começa no sexto km da subida após a passagem por Viapará quando as seções transformam a subida em mítica: Les Cabanes (20%), Llagos (12,5%), Los Picones (18%), Cobayos (17%), La Cueña les Cabres (23,6%) e El Aviru (20%) antes de enfrentar a linha de chegada com uma ligeira descida no último quilômetro.

José María “Chava” Jiménez foi o primeira a vencer ali em 1999. Um ano mais tarde, em 2000, Gilberto Simoni conquistou a vitória, sendo até agora o único ciclista a vencer no Angliru e Zoncolan. Roberto Heras (2002), Juanjo Cobo (2011) e Kenny Elissonde (2013) também tem escrito seu nome na lista de vencedores, e Alberto Contador é o único que venceu duas vezes no Angliru, em 2008 e 2017, durante sua última Vuelta a España antes de sua aposentadoria. Roberto Heras detém o recorde depois de completar a subida em 41 minutos e 55 segundos a uma média de 18,3 km / h em 2000, enquanto o melhor momento Strava tem Steven Kruijswijk, 45 minutos e 33 segundos uma média de 17,4 km/h registada na última Vuelta a España.

Perfil de la subida al Alto de L'Angliru.

Panorámica de la subida al Alto de L'Angliru

Veja como foi a vitória de Alberto Contador no Angliru na Vuelta a España 2017: Vuelta a España: vitória monumental de Contador no duríssimo Angliru

Veredito

As duas montanhas são MONSTRUOSAS, só para ter uma ideia, no Brasil não há uma montanha que chegue perto do nível de dificuldade que estas duas subidas proporcionam. Em virtude da pendência média do Zoncolan, de quase 12%, contra 10,13% do Angliru, consideramos que a montanha italiana é a mais dura. Talvez a mais dura do mundo quando o assunto são provas nível WT!

Veja também:

Giro d’Itália: Mohoric vence em etapa explosiva!

Atletas profissionais para seguir no Strava

Giro d’Itália: 6 etapas imperdíveis