Vuelta a España: Miguel “Superman” López, ataca novamente e leva mais uma

Miguel Ángel López (Astana). Foto: Tim De Waele | TDWsport.com
Saiba como!

O colombiano Miguel Angél “Superman” López venceu mais uma etapa da Vuelta a Espanha. Depois de vencer a décima primeira etapa com um ataque no final da etapa, hoje ele surpreendeu ao atacar junto com Alberto Contador quando ainda restavam cerca de 20 quilômetros para o final. Depois, com 6 para o final, ele largou Contador para trás, passou por Yates e venceu sozinho a décima quinta etapa da Vuelta a Espanha.

Veja como foi a outra vitória de Angél López na Vuelta 

Como foi a etapa

A décima quinta etapa apresentava aos ciclistas um percurso duríssimo com 2 montanhas categoria 1 e uma especial no final e baixa quilômetragem, foram, apenas,  129 Km entre Alcala La Real e Sierra Nevada, com final a mais de 2500 m de altitude.

Demorou algum tempo para que a primeira fuga vingasse e ela aconteceu quando faltavam cerca de 90 Km para o final. Eram eles: Edward Theuns (Trek-Segafredo), Matteo Trentin (Quick Step), Tom Van Asbroeck (Cannondale-Drapac), Sander Armée (Lotto-Soudal), Lluis Mas (Caja Rural-Seguros RGA), Anthony Perez e Stéphane Rossetto (Cofidis) e Nelson Oliveira (Movistar).

Trentin, evidentemente, queria os pontos do sprint intermediário que foram disputados antes do início das escaladas, após a disputa ele abandonou a fuga que seguiu tentando abrir tempo do pelotão que não dava espaço.

Acompanhe tudo o que acontece na Vuelta a Espanha 2017 aqui.

A diferença da fuga nunca passou de pouco mais de 2 minutos, deixando claro que as equipes queriam lutar pela vitória. Apesar do ritmo, a distância não tão longa entre o grupo dos favoritos e a fuga animou alguns ciclistas a tentarem a sorte atacando durante a primeira escalada em busca da fuga. Romain Bardet (Ag2r La Mondiale) com Adam Yates (Orica-Scott) e Steven Kruijswijk (LottoNL-Jumbo) foram os que partiram.

Como não representavam perigo para a geral o pelotão deixou-os ir e logo o trio foi alcançando os integrantes da fuga que, a essa altura, estavam todos espalhados pelas estradas espanholas. O último a ser pego foi Sander Armée (Lotto-Soudal) que rapidamente foi deixado para trás.

Mais tarde com a intensidade imprimida por Yates que vinha com ação para conquistar a vitória, Bardet e Kruijwijk sobraram e logo depois, no grupo dos favoritos, houve o primeiro movimento importante: Entrando na primeira das duas últimas escaladas do dia, Contador e Lopez partiram com o consentimento dos gregários da Sky que nada fizeram.

Adam Yates bem que tentou, mas no final não conseguiu seguir Angel López. Foto: Unipublic/Photogomez Sport

Os dois fizeram uma primeira escalada em ritmo fortíssimo e iniciaram a última com mais de 1 minuto de vantagem para o grupo dos favoritos. Os dois estavam trabalhando juntos e foram alcançando um a um os ciclistas que estavam em fuga. Os únicos que conseguiram seguir na roda da dupla foram Romain Bardet (Ag2r) e Steven Kruijswijk (Lotto Jumbo).

Faltando cerca de 15 para o final, no grupo dos favoritos, Nibali tentou seu ataque, porém dessa vez os gregários de Chris Froome responderam, não de forma rápida, mas mantiveram o italiano, que é o principal concorrente de Froome na Vuelta, a uma distância razoável, na qual, se fosse preciso, Froome pudesse alcança-lo. Mas não foi preciso, Nibali logo percebeu que, com mais de 10 Km de subida pela frente e, principalmente, com Poels e Nieve ainda com Froome, ele não conseguiria nada e acabou tirando o pé e voltando para o grupo.

A subida de Sierra Nevada é enorme, cerca de 19 quilômetros, porém é uma estrada larga e sem grandes gradientes o que ajudou os gregários da Sky a manter tudo sob controle. Nieve liderou o grupo na maior parte da subida e depois, na parte final, coube a Poels colocar o ritmo até o final da montanha.

Na frente, já com 6 quilômetros para o final, percebendo a aproximação do grupo dos favoritos e a pouca coloboração de Contador na busca por Yates, López lançou um ataque duríssimo largando não só o Pistoleiro mas também Bardet e Kruijswijk para trás. Rapidamente ele alcançou e passou Yates que tentou seguir com o colombiano, mas era impossível, o inglês depois de tentar resistir, literalmente explodiu o motor e quase teve que colocar o pé no chão tamanho esforço que havia feito.

Atrás, no pelotão, Poels foi aumentando a velocidade com a aproximação do final da etapa e, assim, limitou totalmente as chances de outros ataques de Nibali. Contador foi pego e não resistiu ao ritmo de Poels. No final, o único que tentou algo, entre os poucos que ainda estavam no grupo de Froome, foi Zakarin que lançou um ataque a 2 quilômetros do fim e, apesar de parecer que não daria em nada, deu certo. Ele acabou chegando em segundo lugar, conquistando os segundos de bonus e mais nove segundos em relação a Kelderman que chegou em terceiro e assim, o ciclista da Katusha, assumiu o terceiro lugar na geral.

Angel López venceu com 47 segundos de vantagem para Froome e saiu do nono para o quinto lugar na geral passando a ser fortíssimo candidato para um lugar no pódio final da Vuelta.

 

Contador foi para o ataque mais uma vez, mas dessa vez o resultado foi longe do esperado. Foto: Unipublic/Photogomez Sport

O líder da Vuelta Chris Froome chegou em quinto, logo atrás do colombiano Esteban Chavez que cruzou em quarto lugar. Nibali perdeu alguns segundos nos últimos metros da etapa e deixou a diferença entre ele e Froome subir 6 segundos.

Amanhã mais um dia de descanço para os atletas e na terça o contra-relógio que poderá ser decisivo nessa Vuelta. Serão 40 quilômetros que poderão ajudar Froome a aumentar ainda mais sua vantagem.

Veja os vídeos da etapa:


Veja qui os resultados finais da etapa:

Comentários