Giro d’Itália: Em etapa histórica, Froome ataca a 80 km do final e assume a Maglia Rosa

Saiba como!

Froome iniciou a etapa rainha do Giro d’Itália 2018 em quarto lugar, a 3’22’’ do então líder geral da prova, Simon Yates e terminou líder com 40 segundos de vantagem para Tom Dumoulin. Foi uma prova insana, como poucas vezes foi vista na história do ciclismo.

Froome é o Maglia Rosa do Giro!

Depois de demonstrar fraqueza no dia de ontem, todos os principais adversários vieram prontos para atacar Simon Yates. E a principal interessada em mudar a história da prova foi a Sky.

A prova começou a se desenrolar assim que o pelotão principal iniciou a escalada do Cima Coppi (a montanha que passa pelo ponto mais alto de todo o Giro d’Itália), o Colle delle Finestre.

Assim que entraram na montanha, um monstro de 18 quilômetros, sendo que os 10 quilômetros finais em estrada de cascalho, a Sky assumiu a ponta, com todos os seus gregários. Cada um deles pedalava com força e, assim que não aguentava mais, saía e outro assumia, levando o pelotão ao inferno.

Em pouco tempo, Simon Yates sobrou. Ainda havia muitos gregários de todas as equipes, evidenciando que o Maglia Rosa realmente não teve apenas um dia ruim ontem. Ele estava, sim, começando a pagar o preço de tantos ataques durante as duas primeiras semanas.

Yates, derrotado, chegou mais de 38 minutos de Froome.

Mas, para a Sky, esse era apenas um detalhe. Froome tinha quase 3 minutos de desvantagem para Dumoulin, portanto de nada adiantava Yates sobrar se não fizessem o holandês sobrar também.

Sabendo disso, a Sky não parou mais. O último gregário de Froome a assumir a ponta do grupo foi o francês Elissonde, que acabou indo para o Giro a pedido do próprio Froome, depois de ter ido muito bem no Tour dos Alpes.

Elissonde levou o mais forte que podia e fez Dumoulin e Pinot, os últimos que se mantinham com eles, sofrerem.

Foi aí que o mais impressionante aconteceu. Eles eram a ponta da prova nesse momento e, faltando 80 quilômetros para o final, Froome atacou.

Há 80 quilômetros da meta, Froome partiu depois que Elissonde sucumbiu.

80 quilômetros! Mais de 10 quilômetros de Finestre para subir e ainda outras duas longas montanhas pela frente. Atrás dele, Dumoulin, Pinot e, logo depois, Carapaz e Angel Lopez juntaram-se e formaram o grupo de perseguição.

Dumoulin, Carapaz, Lopez e Pinot, ainda com mais de 70 quilômetros de prova.

O que aconteceu a partir daí foi uma completa loucura.

Froome foi abrindo tempo para os adversários enquanto Pinot e Dumoulin tentavam não perder mais tempo. Mas isso não acontecia.

Froome solo para 80 quilômetros!

Pozzovivo já havia sobrado e se juntava a um terceiro grupo. Simon Yates tomava incríveis 15 minutos!

Chegando na ultima escalada do dia para Jafferau, local da chegada, Froome já era o virtual líder da prova e tinha mais de 3 minutos de vantagem para o grupo de Dumoulin.

A essa altura, Froome dava sinais de cansaço mas mantinha o passo constante, alterando momentos sentados e em pé. Atrás, o grupo começava a se desentender com ataques de Pinot e pela briga da camisa branca de melhor jovem com Carapaz e, principalmente, Angel Lopez atacando.

No final dessa histórica etapa, que ficará para sempre marcada na memória dos amantes do ciclismo, Froome cruzou a meta a 3 minutos de Carapaz que atacou nos últimos metros, 3’06’’de Pinot, 3’10’’de López e, enfim, a 3’22’’de Tom Dumoulin assumindo a Maglia Rosa por 40 segundos.

Amanhã segue a última etapa de disputa do Giro da Itália, outra dificílima etapa que nos mostrará se Froome pagará por essa incrível demonstração de força!

Vídeos

O momento do ataque de Froome:

 

Resumo:


Entrevista Lopez:

Entrevista Yates:

Entrevista Froome:

Classificação final

Comentários