Tour de France: Izagirre vence solo, Froome garante tri-campeonato

Saiba como!

Ion Izagirre (Movistar) venceu a tão sonhada etapa para a Movistar no Tour 2016. Ele se arriscou ao extremo para largar o colombiano Jarlinson Pantano (IAM Cycling) e Vincenzo Nibali (Astana) em uma perigosa descida no final da prova, os dois últimos foram segundo e terceiro colocados na etapa. A jornada marcou a confirmação do título para Chris Froome (Sky) que foi pouco atacado na etapa, haja vista que a chuva pesada deixou os atletas apreensivos com a segurança, que ocasionou vários tombos na etapa de ontem.

Froome confirma assim seu terceiro título na prova, fruto do trabalho em equipe da Sky, que colocou os melhores gregários do pelotão e os melhores técnicos, preparadores e analistas (e o orçamento milionário) para ajudar o ciclista mais forte da atualidade a conquistar o importante feito.

Amanhã Froome precisa apenas completar a etapa plana que chega em Paris e que geralmente não altera qualquer segundo na CG. A etapa final termina em um circuito no charmoso Champs-Elysée (campos elísios em português)  e terá o maior policiamento da história do Tour, devido ao medo do terrorismo que assola a Europa.

gettyimages_579351140_670
Chris Froome subindo a última montanha do Tour 2016 (Getty).

Como a etapa se desenvolveu

A expectativa da última etapa montanhosa do Tour 2016 deixou os ciclistas ansiosos para buscar um bom resultado, assim o início da etapa foi no estilo “velozes e furiosos”, com ritmo forte e várias fugas. Uma fuga com 37 atletas foi formada, eram eles:

Thomas De Gendt (Lotto-Soudal), Sergio Henao (Sky), Ion Izagirre e Nelson Oliveira (Movistar), Vincenzo Nibali e Jakob Fuglsang (Astana), Peter Sagan e Roman Kreuziger (Tinkoff), Ben Gastauer, Cyril Gautier e Alexis Gougeard (AG2R La Mondiale), Wilco Kelderman e George Bennett (Lotto-Jumbo), Frank Schleck e Jasper Stuyven (Trek), Jarlinson Pantano (IAM), Pierre Rolland, Tom-Jelte Slagter e Dylan van Baarle (Cannondale), Patrick Konrad (Bora), Ilnur Zakarin (Katusha), Rui Costa (Lampre-Merida), Tony Gallopin (Lotto-Soudal), Sylvain Chavanel e Fabrice Jeandesbosz (Direct Energie), Julian Alaphilippe (Etixx), Nicolas Edet (Cofidis), Chris Juul-Jensen e Michael Matthews (Orica).

À primeira vista, a presença de Romain Kreuziger era justamente a intenção de melhorar a sua classificação geral, o ciclista da Tinkoff estava na 12 colocação e ainda está sem contrato para 2017, então a chance de tirar tempo na geral e conseguir um top 10 poderia ajudar o atual campeão da República Tcheca. Peter Sagan ajudou muito seu companheiro e a fuga chegou a abrir 6 minutos, o que levaria Kreuziger à quinta colocação na CG! Mas o pelotão percebeu isso e começou a acelerar o passo, com Astana na ponta.

De Gendt atacou primeiro e pegou os pontos do Colombière, depois ele foi alcançado e passado por Pantano, que mais tarde foi alcançado pelo forte Julian Alaphilipe de apenas 23 anos, os dois começaram a atacar um ao outro, o que acabou desgastando-os e permitindo que Nibali os alcançasse. O ritmo dos 3 era forte e o francês acabou  sobrando, Izagirre veio na captura, saindo do grupo perseguidor e se juntou a Pantano e Nibali, e largou os dois numa descida ULTRA técnica, cheia de curvas e lisa como sabão. E olha que o Nibali é considerado um dos melhores ciclistas em descidas do mundo…

Veja o momento em que Izagirre deixa Nibali e Pantano na última descida da etapa:

No pelotão, Fábio Aru sobrou feio e tomou mais de 17 minutos ao final, jogando fora o trabalho fenomenal da Astana na etapa. Quem sobrou também foi Bauke Molema (Trek), que também deu adeus ao Top 10 da CG.

Poucos ataques saíram do pelotão da geral, devido ao perigo da etapa e da marcação forte entre os favoritos. Ao final do dia, Purito Rodrigues atacou para melhorar sua classificação geral, Dan Martin tentou neutralizar Purito, mas já era tarde demais e o espanhol terminou na sétima colocação no que será seu último Tour de France, o atleta se aposenta ao final da temporada. Com o “prego” de Fábio Aru, Alejandro Valverde (Movistar) subiu para a sexta colocação e Romain Kreuziger ficou na décima, fruto do trabalho de equipe com Sagan na fuga.

gettyimages_579212326_670
Alaphilipe e Pantano escaparam cedo, mas erraram na estratégia atacando um ao outro. O espanhol Izagirre voou baixo e conquistou a etapa (Getty).

Na chegada do grupo da CG, Froome pode finalmente sorrir, o Tour de France é seu pela terceira vez! O ciclista nascido no Quênio e naturalizado britânico, foi o ciclista mais completo, com o time mais forte (inclusive com a comissão técnica de ponta) e com o melhor crono da prova, venceu com mais de 4 minutos para o segundo, Romain Bardet (Ag2r), tá bom, ou quer mais?!

Em entrevista ao final da etapa, a TV francesa questionou Froome se este havia sido o Tour mais fácil que ele já venceu, ele respondeu: fiquei feliz ao final da etapa, realmente feliz, era como se fosse a primeira vez. Lembrando agora das outras edições posso dizer que nunca foi fácil, é sempre muito duro vencer contra o pelotão altamente selecionado na prova, pra quem assiste parece que foi fácil, mas o sofrimento foi diário, com o menor descuido é possível perder tudo…. finalizou Froome falando em francês “de aeroporto”, mas mostrando que a vitória é só a ponta do iceberg.

Vídeos e imagens da etapa

Os melhores momentos da etapa:

Confira o vídeo on-board da etapa 20:

Confira mais imagens da etapa (Getty Images/Tim De Waele/Bettini Photo):

Este slideshow necessita de JavaScript.

Resultados

Veja tudo sobre as etapas aqui.

Comentários

Be the first to comment

Deixe uma resposta