Giro da Itália: Bob Jungels vence etapa com estilo de clássica

Saiba como!
Esta matéria tem o apoio deBicistore
Bicistore.

O luxemburguês Bob Jungels (QuickStep-Floors) mostrou mais uma vez que não veio por acaso para este Giro, venceu sobre um seleto grupo de favoritos à vitória geral e se impôs com a camisa de líder dos jovens talentos. Foi a primeira vez que Jungels bateu um sprint, na segunda colocação chegou Nairo Quintana (Movistar) que obteve 6 segundos de bonus pelo feito e em terceiro Thibaut Pinot (FDJ) que era o favorito para o sprint, mas foi superado pelos dois fortes concorrentes.

A etapa foi marcada por mais quedas, como a do estoniano Tanel Kangert (Astana) que  vinha na 7a colocação geral e quebrou o cotovelo, além de Nairo Quintana (Movistar) e David Formolo (Cannondale) que também caíram em outros pontos, mas conseguiram voltar para o pelotão. As estradas da prova eram bastante estreitas e de regiões muito antigas, com isso haviam muitas rotatórias, placas no meio rua e muitos obstáculos de trânsito que fizeram com que as quedas fossem uma constante na prova. Estes aspectos têm tirado o brilho da prova e somando-se ao erro de um motoqueiro que derrubou metade do pelotão na etapa 9, tem feito com que a organização do Giro d´Itália comece a re-avaliar o planejamento e a segurança da prova, pois não são apenas os ciclistas (e os fãs) que têm perdido com estes problemas.

Veja também: Lista de favoritos para o Giro d’Itália
Veja também: Lista oficial dos inscritos na centésima edição da prova
Acompanhe tudo o que acontece no Giro d’Itália aqui.

Uma das fugas da etapa: Fernando Gaviria (Quick-Step Floors), Phil Deignan (Sky), Julien Amezqueta (Wilier Triestina), Enrico Battaglin (LottoNL-Jumbo), Jacques Janse van Rensburg (Dimension Data), Silvan Dillier (BMC), Enrico Barbin (Bardiani CSF), Rudy Molard (FDJ), Evgeny Shalunov (Gazprom-Rusvelo) e Simone Petilli (UAE Emirates) (TDWSport).

A 15a etapa passava pelas estradas da clássica monumental Giro di Lombardia e desde a largada o que foi visto foi um pelotão muito agressivo, com o surgimento de muitas fugas, fazendo com que a média fosse altíssima, mesmo com a presença de algumas montanhas de categoria 2 e 3 no caminho. A etapa teve incrívels 46km/h de média, considerando o trajeto duro e as duas semanas de competição, podemos dizer que essa foi a etapa mais agressiva e forte da competição até aqui.

Essa foi outra fuga: Philip Deignan (Sky), Amael Moinard (FDJ), Janse van Rensburg (Dimension Data), Pierre Roland (Cannondale) e LL Sanches (Astana), esses caras andaram! (TDWSPort)

Foram várias fugas na etapa, o pelotão andava nervoso, era um estica e volta sem fim. Ciclistas como Fernando Gaviria, Pierre Rolland, Dries Devenyies e muitos outros saíram na fuga hoje, foram muitas tentativas, mas as equipes no pelotão não deixaram ninguém ir muito longe! O interesse nessa etapa era devido ao trajeto final, com subidas curtas e duras que poderiam fazer com o pelotão se quebrasse.

Vincenzo Nibali já venceu o Giro di Lombardia em 2015 e se mostrou muito forte na etapa. Aqui ele atacou na subida final e muito trabalho para ser anulado (TDWSport).

A expectativa de ataques foi concretizada no final. Foi isso que Nibali fez, passando forte na subida final, Bob Jungels também tentou, mas ambos foram alcançados e a chegada foi disputada por 8 caras que são, sem dúvidas, os mais fortes da competição. Bob Jungels se impôs e, assim, deixa de ser uma aposta ou uma revelação, para se tornar um dos ciclistas mais versáteis e talentosos do pelotão.Bob Jungels já havia mostrado seu valor em 2016, quando foi sétimo geral e venceu na categoria jovem talento, em 2017 ele voltou ainda mais forte.

A Orica-Scott foi uma das equipes que mais trabalharam na etapa. Eles apostavam na vitória de Adam Yates que terminou em quarto e vem subindo na classificação geral (TDWSport).

O líder Tom Dumoulin (Sunweb) se mostrou bastante calmo na etapa, em muitos trechos ele ficava bem atrás do pelotão e procurava não se envolver nas tentativas de fugas que aconteciam aos montes, podendo ocasionar quedas na parte dianteira, além de mudar bruscamente o ritmo. Sua estratégia, assim como a de Nairo Quintana, que também ficou bastante tempo na parte de trás, era de se poupar, isso será crucial nessa terceira semana que começa na terça, já com uma etapa monstruosa.

Rudy Molard (FDJ) é um dos fortes gregários de Thibaut Pinot na equipe francesa, ele saiu na fuga e tentou a vitória, mas as equipes no pelotão não deixaram ninguém ir muito longe! (TDWSPort)

Com isso, os ciclistas têm o merecido descanso nesta segunda e não perca a etapa Rainha que será na terça, subindo os míticos Mortirolo (com homenagem a Michele Scarponi), Stelvio e Umbrailpass, terminando com a chegada em Bormio, com mais de 5.000 metros de desnível acumulado. Cabeças podem rolar 🙂

Melhores momentos:

Resultados

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta