Primeiro Grand Tour de um sul-americano, não-colombiano, pode vir essa semana!

A camisa de líder do Giro caiu como uma luva nos ombros de Carapaz! Será que ele consegue conquistar este título? (Bettini)
Saiba como!

Com frio de 4º Celsius, o equatoriano Richard Carapaz (Movistar) respondia as perguntas dos repórteres que estavam chocados após sua atuação no Mortirolo, uma das montanhas mais duras do ciclismo mundial, demonstrando confiança. Richie (seu apelido dentro da equipe) parecia mais desconfortável com o frio e com o cansaço, bocejando intermitentemente entre uma pergunta e outra. Em sua cabeça pairava apenas uma sentença: vou vencer o Giro d’Itália 2019!

Durante sua preparação para o Giro, nos primeiros quatro meses de 2019, ninguém sequer especulou que ele poderia vencer a prova. Todos os olhares estavam em Primoz Roglic (Jumbo-Visma) e seus concorrentes diretos: Nibali, Yates e Lopez. Mas a grande volta italiana é uma caixinha de surpresas e a Movistar, com duas cartas para jogar, mostrou que tinha o trunfo para vencer a prova.

Richard Carapaz gained a few more seconds on his GC rivals at the end of the Giro's stage 17
Richard Carapaz tem construído uma vantagem bastante sólida neste Giro (Getty).

Richard Antonio Carapaz Montenegro nasceu nas montanhas do Equador, na cidade de El Carmelo, na região de Tulcan, a impressionantes 2950 metros de altitude. Ele, como muitos de seus conterrâneos, possuem uma genética que ajuda a desempenhar com excelência os esportes aeróbios. Carapaz começou a despontar com o título nacional júnior de estrada em 2010, o qual venceu escapado na montanha. Em seguida venceu o Pan-Americano Sub-23 de estrada e aí não parou mais.

A princípio ele foi galgando seu espaço na equipe Strongman colombiana, e logo em seguida foi para a equipe Lizarte, que mais tarde teve a presença do brasileiro Nicolas Sessler. O desempenho de Carapaz, com seus ataques fortes na montanha, com capacidade de escalar e ainda ter força para bater no final, chamou a atenção da Movistar que decidiu investir no garoto.

Richard Carapaz and Miguel Angel Lopez ride to the finish of stage 17 at the Giro
Richard Carapaz, Miguel Angel Lopez e Hugh Carthy (Bettini)

Os resultados de Carapaz foram íngremes na Movistar, onde em 2018 ele venceu uma etapa do Giro e foi quarto geral. O atleta seguiu se preparando com meta em Grandes Voltas, usando competições de um dia ou voltas de uma semana apenas como preparação. O esforço deu certo!

O título do Giro 2019 é possível?

Entre uma pergunta e outra, de jornalistas de todo o mundo, Charapaz demonstra que está muito focado na prova. Toda citação da palavra “tranquilidade” é rebatida de pronto pelo atleta: “não podemos estar “tranquilos” com nossa vantagem ou com uma volta desse nível. Estamos atentos!”

A verdade é que Carapaz não sabe ao certo como serão estas últimas etapas do Giro, com algumas jornadas com mais de 200km, somado ao cansaço acumulado, um pequeno descuido com a alimentação ou com o sono, pode ser fatal.

Uma coisa é certa, apesar de todos estarem dizendo que esse Giro ter sido um pouco diferente em termos de perfil das etapas, com uma separação abrupta da volta entre etapas planas e montanhosas, o cansaço dos atletas, todavia, é geral neste ponto.

Richard Carapaz descends off the Mortirolo
Richard Carapaz (Movistar) na descida do Mortirolo (Getty).

Depois de algumas duras etapas, Carapaz foi questionado sobre quem seria seu principal adversário, e ele considerou que Nibali é bastante perigo nesta última semana. Talvez Mikel Landa seja o único que ainda possa fazer algo por Carapaz quando Nibali quiser surpreender, e talvez Landa ainda tenha uma carta para jogar, pois ainda sonha e tem chances, de vencer esse Giro.

O fato é que Landa está em grande forma e parece não estar disposto a repetir a atuação que fazia com Fábio Aru em 2015, ano em que ele estava na Astana e teve de esperar o italiano quando poderia ter ido pra cima e batido Alberto Contador. Segundo fontes da própria Astana, naquela etapa no Finestre, Landa teve uma atuação digna dos grandes escaladores do ciclismo.

Richard Carapaz (Movistar) in the overall leader's jersey during stage 16 at the Giro d'Italia
Richard Carapaz (Movistar) de rosa, escoltado pela sua forte equipe no Giro (Getty).

Apesar de tudo isso, Carapaz está tranquilo com Landa, não parece preocupado e com seus mais de 3 minutos de vantagem para o companheiro de equipe, fica a questão sobre um eventual dia ruim do equatoriano, será que Landa iria esperá-lo?

Mikel Landa on the attack late during stage 17 at the Giro
Mikel Landa ao ataque na etapa 17 do Giro d’Itália (Bettini).

Segundo jornais na Espanha, Landa continua trabalhando para Carapaz devido ao respeito pela camisa rosa. Nas redes sociais, a hash tag da vez é #Landismo! Que significa estar bem, mas ainda precisar se reportar a alguém, ou mesmo tendo liberdade, é uma liberdade contida, nos mesmos moldes de seu tempo na Sky.

Mikel Landa drives the pace in the pink jersey group
Landa trabalhando para Carapaz na montanha (Getty).

O fato é que ainda surgem muitas questões dentro dessa equipe da Movistar, com novos gregários despontando, como Carretero e Pedrero, que tem feito um trabalho monumental. Landa e Carapaz são estrelas que ainda podem se chocar nessa volta. Mas a confiança de Carapaz mostra que esse Giro já tem dono!