Gino Bartali: 106 anos de uma Lenda Italiana

Hoje, a lenda italiana Gino Bartali completaria 106 anos de vida. Lemos o seu livro ‘O Leão da Toscana’ e fizemos uma síntese de como foi a vida dele!

Há 106 anos, no povoado de Ponte a Ema, na região da Toscana, nascia Gino Bartali. Um dos maiores mitos do ciclismo. Herói de guerra, grande campeão e o maior rival de Fausto Coppi. Essa é daquelas histórias que só tendem a crescer conforme o tempo passa

Imagem

Gino desde novo demonstrou interesse no ciclismo e pegava escondido a bike do pai para pedalar. Juntou dinheiro com muitas custas e comprou uma bicicleta usada e entre trabalhar em uma oficina de bicicletas e corridas com a desaprovação da mãe, tornou-se profissional aos 21.

Ele viu amigos do pai desaparecerem e o próprio ter que esconder materiais socialistas da caça dos fascistas. Por isso, quando atleta, recusou-se a servir de garoto propaganda para o regime de Mussolini, o que lhe custou a oportunidade de disputar alguns Tours de France.

Mesmo assim, sagrou-se campeão do Tour 1938, bem como dos Giros 1936 e 1937. Tendo a sequência e seus melhores anos como atleta sendo interrompidos pela Segunda Guerra Mundial. As competições foram suspensas e Gino tomou papel em outra disputa muito mais importante

Imagem

A Itália fascista de Mussolini se aliou à Alemanha nazista, de Hitler. E como parte dos esforços de guerra, colaborou com a caça e envio de judeus italianos para os campos de concentração e extermínio do regime nazista.Dessa forma Bartali teve que se alistar ao exército e, como era ciclista, pediu para ser mensageiro e assim pôde cruzar o país com sua bicicleta, com a desculpa de treinar e carregar mensagens. Tal salvo conduto, junto com o fato de ser um ídolo do ciclismo foi o que tornou possível que ele contrabandeasse documentos no quadro de sua bicicleta que salvariam a vida de milhares de judeus que escaparam da morte nas mãos de facistas e nazistas.Mesmo pondo a própria vida e a família em risco,tendo sido levado a uma prisão de torturas do regime, ele não desistiu.

E não admitia por muito tempo que ninguém falasse do que fez. Nem a esposa sabia. Com o fim da Guerra, a Europa precisava se reconstruir e parte disso passava pelo esporte. Gino já tinha mais de 30 anos e quando pôde novamente disputar o Tour, já faziam 10 anos de sua vitória.

Mesmo desacreditado, chamado de “velhaco”, “Gino, o Velho”, “Ranzinza”, ele demonstrou sua força vencendo o Giro 1946 e numa grande reviravolta, o Tour 1948. Mesmo tendo sido privado de seus anos de auge da forma física, Gino comprovou que, dentro e fora do esporte, foi um herói.

Imagem

Até hoje não se sabe ao certo quantas pessoas foram salvas pelos esforços de Gino. Sua discrição e recusa em falar de suas ações, além do fato de seus colaboradores terem já há muito falecido, tornam ainda secretas boa parte de suas realizações heróicas de guerra. Ainda assim, ele foi reconhecido pelo governo de Israel e recebeu o título de Justo entre as Nações.

Seus feitos no esporte também não são pequenos. Dono de um palmarés invejável, ele venceu:
-Voltas
► 3x GC Giro d’Italia
► 2x GC Tour de France
► 2x GC Tour de Suisse
► 1x GC Tour de Romandie, Vuelta al país Vasco

► 12x Etapa Tour de France
► 17x Etapa Giro d’Italia

– Clássicas
► 4x Milan-Sanremo
► 3x Giro di Lombardia

Gino nos deixou em 5 de maio de 2000 e sua lenda só cresce desde então. Um campeão gigante, o eterno Leão da Toscana.

Sobre Estagiário 56 Artigos
Menos conhecido por Giovanni Santana, é graduando em Engenharia de Aquicultura (UFPR). Ciclista de fim de semana, entusiasta e corneta em tempo integral.