Pablo Escobar e o Ciclismo: Parte 2

¿Plata o Plomo? Pablo sempre foi um cara de personalidade forte, nunca mediu esforços para que as coisas ocorressem como ele queria. E infelizmente alguns ciclistas acabaram entrando na sua mira.
Saiba como!

Contamos aqui a algum tempo atrás O dia em que Pablo Escobar quis ganhar um Tour de France. Logo, alguns ciclistas da época, acabaram refens do chefão do narcotráfico.

Como vocês já viram no último post que falamos sobre isso, a relação de Pablo com o ciclisto foi muito próxima, ele sempre gostou do esporte. Mas ser próximo e até ter alguma ligação com o ‘Patron’, muitas vezes não significava algo bom e podia acabar em tragédia a qualquer momento. Por isso hoje contaremos a história dos ciclistas que acabaram entrando nesse jogo sujo. Infelizmente, a maior parte dos casos não há um porquê do assassinato, nem algo do tipo. Pablo simplesmente mandava apagar qualquer pessoas que não fizesse exatamente o que ele pedisse.

Gonzalo Marín

Um bom ciclista colombiano, chegou a competir para a equipe cuja qual Pablo patrocinou. Assassinado pouco tempo depois pelos capangas do Escobar.

Gonzalo Marin usando uniforme de quando Pablo ainda mantinha uma equipe.

Alfonso Perez

Ciclista que teve como uma de suas glórias a camisa por pontos no Tour da Polônia. Assassinado em 1992, a tiros, por homens de Pablo.

Alfonso Florez, ainda em atividade. Infelizmente acabou entrando na mira do Patron

Armando Aristizabal

Correu pela equipe Café Colombia, chegou a competir na Europa. Encontrado morto pelas cercanias de Medellín com as mãos atadas e sinais de tortura.

Armando Aristizabal, em 1986, defendendo as cores do Cafe Colombia

Juan Carlos Castillo
Os traficantes de Pablo, gostavam de usar os ciclistas como ‘Mulas’, contra a vontade e através de ameaças a suas famílias. Juan Carlos acabou sendo preso no Aeroporto de Medellín com Cocaína. Logo foi solto, mas não demorou muito, foi assassinado.

Juan Carlos, que foi ameaçado e usado como Mula, para transportar cocaína na Europa.

Cochise Rodriguez
Um dos melhores corredores colombianos de seu tempo, com 2 vitórias de etapa no Giro, um dos primeiros colombianos a competir o Tour e companheiro de equipe do italiano Felice Gimondi.

Seu chefe, Murillo Pardo, fazia parte do esquema de Escobar. Cochise foi assasinado em 1986 pelo Cartel.

Campeão do Mundo, Felice Gimondi compartilhando pódio com Cochise. Ambos correram pela Bianchi-Campagnolo.

Vale lembrar também alguns outros causos, que não envolveram necessariamente o Patron. Mas sim outros grupos colombianos como por exemplo as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) e o Exército de Liberação Nacional (ELN)

Victor Hugo Peña
Em 2003, semanas antes de ser o primeiro Colombiano a usar a Camisa Amarela do Tour de France, correndo pela equipe US Postal, a mesma do Lance, teve sua casa roubada e lhe levaram o passaporte. Victor teve que correr o Tour daquele ano, ilegalmente com visto para Turista. Foi um dos gregários de Lance Armstrong em sua quinta conquista da maior prova de ciclismo do mundo.

Victor Hugo, foi uma figura marcante no Tour de 2003. E vestiu a Amarela por 3 etapas!

Foram registrados também sequestros a Lucho Herrera e Oliverio Rincon durante o ano de 2000.

Sobre Estagiário 45 Artigos
Menos conhecido por Giovanni Santana, é graduando em Engenharia de Aquicultura (UFPR). Ciclista de fim de semana, entusiasta e corneta em tempo integral.