TOP 10 – Ciclistas que migraram para a Estrada

Tem Mountain-Biker virando Contender em Grande Volta, gente do Cyclocross especialista em Clássicas, Pisteiro que virou Sprinter!

Venha conhecer alguns nomes que não iniciaram a vida no ciclismo na Estrada, mas sim migraram pra ela durante a carreira, ou pouco antes de virar Profissional.

Veja também:

Offredo não ficará mais tetraplégico após tombo no GP Denain

TOP 10 – Ciclistas que iniciaram em outros Esportes

Nino Schurter e Lars Forster vencem a Absa Cape Epic 2019

A melhor história da Cape Epic 2019

10 – Nino Schurter

Em 2014, em uma parceria com a Orica-GreenEdge, devido ao mesmo patrocínio de bicicletas. Foi proposto ao Suiço, Campeão do Mundo de MTB XCO Nino Schurter, que ele migrasse para o ciclismo de estrada. Na época, Nino tinha como meta apenas as Olimpíadas do Rio em 2016 e se dizia de cabeça aberta para tentar ir pra estrada após cumprir esse objetivo. Portanto, resolveram realizar alguns testes, assim Nino correu o Tour da Suiça, Tour da Romandia e o GP D’Argovie. Seus melhores resultados foram 2 top-10 no Tour da Suiça. Então Nino logo voltou para o XCO, onde segue o seu reinando.

Resultado de imagem para nino schurter orica greenedge

Vale ressaltar que Nino mesmo indo competir na estrada, não abdicou em momento nenhum das corridas de XCO, além de ter ido direto pra duas provas que são consideradas preparativas para Grandes Voltas, onde todos os contenders estão praticamente no ápice da forma anual.

9 – Ryder Hesjedal

O Canadense iniciou em 1999 no Mountain Bike, acumulando 7 medalhas nos diversos campeonatos mundiais de XCO que disputou. Em 2005, migrou para a Estrada, pra equipe Discovery Channel (isso mesmo, a do Lance).

Resultado de imagem para Ryder Hesjedal

O Maior Exito de Ryder Hesjedal foi vencer a classificação Geral do Giro d’Italia, em 2012.

8 – Zdeněk Štybar

O Tcheco de 33 anos, iniciou sua carreira no Cyclocross. Antes de ir para a Estrada, Stybar foi 2x Vice-Campeão Mundial e 2x Campeão Mundial. Em 2011 ingressou na esquadra da Quickstep, mantendo até 2014 uma jornada dupla de competir na Estrada e no Cyclocross. Zdnek se tornou um especialista nas provas Clássicas de Primavera e Caçador de Etapas em Voltas.

Resultado de imagem para Zdeněk Štybar

Resultados Expressivos: Cyclocross – 2x Campeão Mundial; 6x Campeão Nacional; Campeão Geral da Superprestige e do DVV Trophy
Estrada – Geral no Eneco Tour; Strade Bianche; E3; Omloop; 2x Vice na Paris-Roubaix

7 – Jakob Fuglsang

O Dinamarquês que hoje corre pela Astana, iniciou sua carreira no Mountain Bike XCO. Sua primeira competição foi em 2002, em 2003 já foi bi-campeão nacional junior e em 2007 chegou ao titulo mundial sub-23 e fez um 2º lugar na Cape Epic. Jakob começou treinos de Estrada para melhorar o desempenho, mas acabou ficando fora da Olimpíada de 2008. Mas no mesmo ano venceu o Tour da Dinamarca e aceitou o convite de Bjarne Riis para ingressar na então Saxo Bank

Imagem relacionada

Resultados Expressivos: Mountain Bike – Bi-Campeão Nacional Junior; 2º Cape Epic.
Estrada – 3x Campeão Geral Tour da Dinamarca; Geral Criterium Dauphine; Volta a Andaluzia; Tour de Luxemburgo; 2º nas olímpiadas do Rio 2016; 2º Strade Bianche.

6 – Wout Van Aert

O menino Prodígio do Cyclocross, o Belga Van Aert sempre surpreendeu a todos desde muito cedo no Cyclocross, com diversos títulos na categoria Sub-23, incluindo Europeu e Mundial. Aert começou a surgir pro ciclismo de Estrada em 2017 na equipe Pro-Continental Verandas-Willems, logo se destacou vencendo algumas clássicas de pequena expressão. Em 2018 surpreendeu a todos, chegnado em 3º em uma prova heróica na Strade Bianche e conquistando o Bronze no Campeonato Europeu.

Resultado de imagem para Wout Van Aert

Mas ao fim da temporada, com rumores da junção da sua equipe com a equipe Roompot, Van Aert se mostrou insatisfeito e assinou contrato com a Jumbo-Visma. Seu time antigo, solicitou uma multa de €500 mil, por quebra de contrato. Sua nova equipe nem titubeou em pagar o alto valor.

Resultados Expressivos: Cyclocross – 3x Campeão Mundial; 3x Campeão Nacional; 2x Copa Do Mundo; 3x DVV Trophy e 2x Superprestige
Estrada – 2x 3º Strade Bianche; 2º na E3; 10º na Gent-Wevelgen; 9º no Tour de Flandres; 6º Milan-Sanremo

5 – Mathieu Van der Poel

Holandês de ‘sangue-puro’, neto de Raymond Poulidor e filho de Adrien Van der Poel. Arquirival número 1 de Wout Van Aert no cyclocross, protagonizaram batalhas épicas nos últimos anos. Também se destacando desde as categorias Junior e Sub-23, com Mundiais, Nacionais e Europeus. Mas também aparecia nas provas de Estrada, foi inclusive campeão Mundial e Nacional Junior, no mesmo ano que também foi campeão Mundial, Europeu e Nacional de Cyclocross na mesma categoria.Resultado de imagem para Mathieu Van der Poel

Mas o interesse de Mathieu, sempre foi o Cyclocross. Na estrada sempre correndo e as vezes vencendo, corridas de menor expressão. Apareceu em provas de maior expressão em 2018, onde foi Campeão Nacional e 2º no Campeonato Europeu. Tamanha atenção se voltou para ele, que nesse ano, sua pequena equipe conseguiu inúmeros convites para clássicas belgas de prestígio. Inclusive, já levou 2, só esse ano!

Resultados Expressivos: Cyclocross – 2x Campeão Mundial; 2x Campeão Europeu; 5x Campeão Nacional; 5x Superprestige; 3x DVV Trophy; 2x Copa do Mundo
Estrada: Através de Flandres; GP Denaim; Geral Baltic Tour; 2x Geral Boucle de la Mayene

Resultado de imagem para Mathieu Van der Poel

Vale lembrar também, que durante o ano de 2017 e 2018, Van der Poel disputou provas no MTB XCO, chegando a ser campeão Nacional, 2º Geral na Copa do Mundo e 3º no Mundial. E que na atual temporada, venceu 32 das 34 provas de Cyclocross que disputou.

ONDE SERÁ QUE VAN DER POEL VAI PARAR ?????

4 – Peter Sagan

Sagan é um cara que dispensa apresentações, é uma figura carimbada no pelotão, desde seu inicio da Liquigás. Seja por suas entrevistas, comemoraçõe, vitórias, vices ou irreverência, ele sempre chama atenção. O que pouca gente sabe é que nas categorias Junior e Sub-23 Peter se dedicava ao Mountain Bike e ao Cyclocross.

Sagan sempre deixou bem claro sua prefêrencia pelo Mountain-Bike, dizendo que o pelotão é entendiante. Tanto que nas Olimpíadas de 2016, abdicou da prova de estrada, que ele tinha chances de vencer, para correr no MTB XCO. Acabou tendo azar e furando 2x, o que o acabou tirando da disputa

Resultado de imagem para Peter Sagan
Resultados Expressivos: Cyclocross – 2x Nacional Júnior; Vice-Campeão Mundial Junior; 3º Lugar no Europeu Junior
Mountain Bike – Campeão Mundial e Europeu Junior.
Estrada – 3x Campeão Mundial; 6x Campeão Nacional; 1x Campeão Europeu; Paris-Roubaix; Tour de Flandres.
O Palmarés é extenso, por isso resolvi disponibilizar o link com tudo que ele já ganhou AQUI

3 – Mark Cavendish

O Foguete das Ilhas Manx, como é conhecido. Começou a sua grandiosa carreira nos velódromos! Especialista nas corridas de Perseguição por Equipes e de Madison.

Estreou nas provas de Estrada em 2005, com a T-Mobile. Passou ainda por High Road-HTC, Team Sky, Quickstep e hoje corre pela Dimension Data. Mark possui 146 vitórias como profissional na Estrada, além de ser o segundo com maior número de etapas do Tour de France, perdendo apenas pra Eddy Merckx.

Imagem relacionada

Resultados Expressivos: Pista – 4x Campeão Mundial Pista (3x Madison e 1x Scratch); Prata Olímpica Omnium
Estrada – Campeão Mundial; Milan-Sanremo; 30 etapas do Tour de France; 15 etapas Giro D’Itália; 2x Geral Tour de Dubai.

2 – Cadel Evans

Cadel começou a carreira no MTB em 1995, ganhou inúmeras medalhas nos mundiais de MTB XCO nas categorias de Junior e Sub-23. Após se destacar no Tour da Tasmania, Cadel foi contratado pela equipe Saeco, para competir em provas na Estrada.

Resultado de imagem para Cadel Evans

Resultados Expressivos: MTB – 2X Copa do Mundo; Campeão Nacional (Sub-17 e 19 e 2x na categoria principal)
Estrada – Campeão Mundial; Tour de France; Tirreno-Adriático; 2x Tour de Romandia; Fleche Wallone.

1 – Bradley Wiggins

De longe é a mudança mais radical da lista de hoje. Bradley Wiggins, iniciou na Pista, foi pra estrada, voltou novamente pra pista, voltou para a Estrada para se tornar Contender de Voltas e ainda voltou pra Pista pra ser campeão Olímpico, Mundial e bater o Recorde da Hora.

Bradley, na estrada, se destacava por sua endurance e seus contra-relógios fora do comum, o que levou a ser protagonista do Team Sky a partir de 2010, no projeto pra vencer 1 Tour de France (Hoje a equipe já soma 6), o objetivo foi conquistado em 2012, em dobradinha com seu escudeiro Chris Froome. Os títulos na pista e na Estrada, concederam a Bradley Wiggins o título de Cavaleiro da Coroa, ou seja, pode ser chamado de Sir.

Imagem relacionada

Títulos Expressivos: Pista – 5x Campeão Olímpico; 7x Campeão Mundial; 1x Campeão Europeu
Estrada – Campeão Mundial de Contra-Relógio; 3x Campeão Nacional de Contra-Relógio; 1x Campeão Nacional de Estrada; Tour de France; Paris-Nice; 2x Criterium Dauphine.

E ai, sentiu falta de alguém nessa lista? Qual você conhecia? Qual não conhecia? Conta pra Gente!

Sobre Estagiário 51 Artigos
Menos conhecido por Giovanni Santana, é graduando em Engenharia de Aquicultura (UFPR). Ciclista de fim de semana, entusiasta e corneta em tempo integral.